Charles Perrault

sábado, 27 de agosto de 2016



Charles Perrault (1628 – 1703) foi um poeta francês, teórico literário e escritor de contos de fada. Também foi advogado e assistente de Colbert, conselheiro do Rei Luís XIV da França (sim, o cara que recebeu o apelido de Rei Sol). Em 1671 foi eleito para a Academia Francesa de Letras.

Carreira Literária
Ao contrário do que se possa pensar, já que Perrault é considerado o escritor que colocou a fundação para que os contos de fada fossem considerados um novo gênero literário, essa não foi a parte mais longa do seu trabalho.

Instituto da França, sede da Academia Francesa, em Paris - Charles Perrault
Instituto da França, sede da Academia Francesa, em Paris

Sua carreira literária foi marcada na Academia Francesa de Letras pela "Querela dos Antigos e dos Modernos", uma briga entre os escritores da época sobre quem era melhor uma discussão entre os teóricos literários da época. Antigos eram os que defendiam que as raízes greco-romanas eram superiores a qualquer conteúdo francês. Os Modernos (liderados por Perrault) defendiam que as criações francesas não deviam nada para as mais antigas.

Indo para os contos, que é o que nos interessa aqui, em 1694, publicou três contos de fada em versos, entre eles Donkey Skin (“Pele de Asno“ em tradução livre).

Cinderela
Cinderela
Os primeiros contos em prosa vieram em 1695, (Perrault estava com 67 anos nessa época) em forma manuscrita, transcritos por um calígrafo hábil em um volume luxuoso para ser dado de presente à sobrinha do rei da França. O título do manuscrito era "Contos da Mamãe Gansa" com as histórias de A Bela Adormecida, Chapeuzinho Vermelho, Barba Azul, o Gato de Botas e As Fadas.

Em 1967, vieram seus oito contos em prosa, reunidos sob o título de “Histórias ou Contos dos Dias Antigos: Contos da Mamãe Gansa”, em tradução livre (“Stories or tales from olden days: Tales of my Mother Goose”, no original).

Contos da Mamãe Gansa
- Chapeuzinho Vermelho
- A Bela Adormecida
- O Pequeno Polegar
- Cinderela
- Barba Azul
- O Gato de Botas
- As Fadas
- Henrique, o Topetudo

Mamãe Gansa - Charles PerraultEstes oito contos foram um sucesso imediato e estabeleceram a reputação literária de Perrault. Ele se expressava com uma economia na linguagem e nos recursos estilísticos. Mantinha elementos suficientes de uma linguagem arcaica, repetições, diálogos e tensão dramática para dar o tom da tradição oral em sua narrativa simples. 

As histórias registradas em seus contos de fada tinham como base narrações populares, que foram adaptadas e floreadas de acordo com a necessidade da corte francesa naquela época. Alguns detalhes eram acrescentados e outros, como pontos de cultura pagã, eram retirados. 

Cinderela
Apesar do título “contos de fada”, a figura de fadas é pouco presente. Figuras humildes como lenhadores, serviçais, aldeões, damas e cavaleiros são mais comuns. Além disso, o papel da magia nos contos em geral é pequeno, dando maior destaque para a natureza humana e condutas sociais, tanto boas quanto ruins. 

Aliás, as histórias têm uma mensagem moral explícita – aparecem em um apêndice no fim. E é bem na cara, para ninguém falar que não viu. Dá só uma olhada na moral de Cinderela, de acordo com o site da Universidade de Pittsburgh, que na falta de uma tem duas morais (a tradução resumida está logo embaixo):


Moral do Conto Cinderela - Charles Perrault
Moral do Conto Cinderela - Charles Perrault
Moral: A beleza em uma mulher é um tesouro raro que sempre será admirado. Porém benevolência é sem preço e de valor ainda mais alto. [...]

Outra moral: Sem dúvida, traz grande vantagem ter inteligência, coragem, boa educação e bom senso. [...] Contudo, mesmo esse podem falhar em lhe trazer sucesso sem a benção de um padrinho/madrinha.


Segundo Perrault, essas mensagens tinham como objetivo servir de orientação e ensinamento para quem as ouvisse. 

A Bela Adormecida
A Bela Adormecida
As versões mais conhecidas de alguns contos diferem em alguns pontos dos de Perrault. Na versão dele, Chapeuzinho Vermelho não é salva no final, e a Bela Adormecida se casa com o príncipe para depois descobrir que ele é filho de uma ogra. (Houston, we have a problem!)





E você, o que já sabia sobre Perrault? Tem algum conto preferido? Conte para mim nos comentários. =)




Bibliografia




  E se você gostou da postagem, não perca nenhuma novidade:












Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...