#GirlPowerNaLiteratura

sexta-feira, 1 de junho de 2018

Tem umas Tags Literárias bem legais circulando pelo Instagram, então resolvi trazê-las para cá também! Espero que gostem, sintam-se a vontade para fazer também e me marquem lá no insta para eu ver. =D

A primeira, é #GirlPowerNaLiteratura, em homenagem à semana da mulher, vi na página da @justibooks. Foram 5 desafios, apenas com livros escritos por mulheres:


Dia 1: Selo Darklove da Editora Dark Side 

Os únicos livros da Dark Side que li foram desse selo: As Crônicas de Amor e Ódio. Confesso que a Lia me irritou profundamente no início do primeiro livro (Quem foge para uma floresta cavalgando, gritando, gargalhando e acendendo uma fogueira na primeira noite??? Você está fugindo ou quer ser encontrada, moça?) Superando isso, eu gostei bastante da história. =D Tanto que estou lendo As Crônicas de Morrighan agora.

Dia 2: Personagens Femininas Marcantes⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ 
Bom, tem váárias, mas escolhi só algumas para a foto:

- Cinder, das Crônicas Lunares, da Marissa Meyer (tem post sobre esse livro aqui no blog, não perca!)

- Sinda, de A Falsa Princesa, da Eilis O'Neal

- Elizabeth Bennet, de Orgulho e Preconceito, da Jane Austen (sério, quem não ouviu falar dela??)

- Sara Crewe, de A Princesinha, de Frances Hodgson Burnett


Dia 3: Indique duas autoras favoritas⠀ 

- Jane Austen!!!!!! Minha autora do coração sem dúvida nenhuma!

- J. K. Rowling - graças a Harry Potter eu fui apresentada às fanfictions e comecei a escrever! <3


Dia 4: Resenha de um livro escrito por mulher⠀⠀⠀⠀ 
Persuasão, Jane Austen (deu pra perceber que eu gosto dessa mulher, não?).


Aos 19 anos, Anne Elliot, filha de Sir Walter Elliot, se apaixona pelo jovem capitão da Marinha Frederick Wentworth. Mas como ele não tivesse posses, a família se opôs ao casamento. A isso a moça conseguiria resistir, mas quando Lady Russell, uma senhora que quase lhe substituíra a mãe quando esta morreu, interferiu, o noivado terminou. Levada a pensar que aquela seria uma união imprudente com poucas chances de dar certo, e acreditando que também agia para o bem dele, Anne se afastou do rapaz. Inconformado, o capitão saiu do país.

Anos se passaram, e aos 27 anos, Anne tinha perdido a beleza da juventude e continuava solteira. Nessa época, Sir Elliot andava gastando mais do que sua renda podia suportar. Para arrumar suas finanças, causando a menor vergonha possível, ele é convencido a se mudar do belo Solar de Kellynch para uma casa consideravelmente menor em outra cidade, Bath.

Sem muita consideração por Anne, o pai e a irmã mais velha se mudam na companhia de uma amiga da família e a deixam por um tempo fazendo companhia para a irmã mais nova, Mary, que já era casada e morava por perto.

Pouco depois, o Almirante Croft e sua esposa se mudaram para o Solar que tinham alugado. Por coincidência, a senhora Croft era irmã do Capitão Wentworth e passado algum tempo, ele foi visitar a irmã e permanecer com ela por algumas semanas.

O reencontro entre os ex-noivos foi inevitável e formal. O Capitão passou a dar atenção às senhoritas Musgrove, cunhadas de Mary, e Anne podia apenas assistir a isso.

Após alguma convivência, todo o grupo foi passear em Lyme, uma cidade próxima. Lá, o rosto de Anne pareceu rejuvenescer novamente chamando particularmente a atenção  de um cavalheiro que passava pela rua. Mas um acidente repentino muda os planos de regresso.

Quando a moça finalmente vai para Bath para voltar a morar com o pai e a irmã, não imaginava o que viria a seguir. Pessoas do passado voltam a aparecer e parecem poder mudar o rumo da história.
Por essa sinopse talvez pareça que são personagens demais, mas o leitor não fica perdido em nenhum momento da narrativa. Tenho uma edição bilíngue (a da primeira figura) que tem a capa linda, mas é uma tortura ler em inglês, porque as letras são bem pequenas.

De todo modo, esse livro é um dos que mais gosto de Jane Austen. As reações e os pensamentos de Anne conforme os acontecimentos vão se sucedendo são muto reais. O livro tem um enredo aparentemente simples, mas os detalhes da caracterização das personagens, típico da autora, trazem uma riqueza enorme. A sensibilidade de Jane Austen ao conseguir captar esses sentimentos, dos pequenos aos grandes, é maravilhosa.

Embora para mim é um pouco estranho que a Anne seja descrita como uma mulher que não tem mais "o frescor da juventude" quando ela tem apenas 27 anos. Em todo caso, talvez isso fique mais compreensível ao se pensar em qual era a expectativa de vida da época. Ainda assim...



Dia 5: Quotes de um livro escrito por mulher
Ahhh, desses tem váários pelo Escrevendo Asas, só dar um pulo no Insta, no Face ou no Pinterest. 


Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...